Revista Montajes » Blog Archive » Marcas visuais do Nordeste brasileiro

plecarevistam

octubre 1st, 2015Artículos, Número 3admin 0 Comments
Marcas visuais do Nordeste brasileiro

Marcas visuais do Nordeste brasileiro no cinema contemporâneo

Raquel Holanda

Leer artículo

Raquel Holanda é mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. Pesquisadora da linha de mídia e estética, investiga nas produções audiovisuais temas como paisagens urbanas, cultura visual, estética e identidade. Docente dos bacharelados em Jornalismo e Publicidade e Propaganda da FAVIP.

Resumo

A procura de si leva ao trânsito, seja geográfico ou subjetivo, e possibilita a ocupação de entre-lugares na busca por uma estabilidade de sentimentos. Em filmes como Amarelo Manga, Cidade Baixa, Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo e O Céu de Suely essas inconstâncias, conflitos e trânsitos são reveladas. O Nordeste e suas cidades acabam por se revelarem, nestes filmes, como espaços projetados pelos aspectos possíveis da simbólica e imaginária dimensão temporal do desejo de seus habitantes. Os deslocamentos, o fluxo de identidades e suas experiências com as fronteiras desestabilizam os conceitos e valores desses personagens.

Palavras-chave
Experiência, trânsito, identidade, espaço, entre-lugar.

Abstract

The search itself leads to transit, be geographical or subjective, and enables the occupation from in between places the search for a stable feelings. In films like Amarelo Manga, Cidade Baixa, Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo e O Céu de Suely these inconsistencies, conflicts and transits are revealed. The Northeast and its cities eventually prove to be, in these films, as spaces designed by the possible aspects of symbolic and imaginary time dimension of the desire of its inhabitants. Displacements, the flow of identities and their experiences with the boundaries destabilize the concepts and values ​​of these characters.

Keywords
Experience, transit, identity, space, in between.